Vitor Hugo de Oliveira Vargas Eterno estudante e fã da cultura DevOps
Publicado em:

sáb 06 outubro 2018

←Home

Trabalhando com operadores ternários

Quando estamos escrevendo um código qualquer, possivelmente a expressão que mais utilizamos é o if. Para qualquer tarefas que buscamos automatizar ou problemas que buscamos resolver, sempre acabamos caindo em lógicas como "Se isso acontecer, então faça aquilo, senão faça aquele outro...".

Quando estamos falando de ações a serem executadas, pessoalmente gosto da forma com que o código fica organizado em python quando usamos este tipo de condições, por exemplo:

if vencer_o_thanos:
    restaurar_a_paz()

else:
    foo()

Graças a indentação e ao espaçamento, vemos onde onde começa e/ou termina o bloco executado caso a varável vencer_o_thanos seja True. Quanto mais if's você aninhar, mais bonito seu código fica e em momento algum o mesmo se torna mais confuso (ao menos, não deveria se tornar). Entretanto, sempre fico extremamente incomodado quando tenho de escrever um bloco apenas marcar uma variável, como por exemplo:

if vencer_o_thanos:
    paz = True

else:
    paz = False

Por isso, para trabalhar com variáveis que possuem um valor condicional, gosto sempre de trabalhar com expressões condicionais, ou como costumam ser chamadas, operadores ternários.

Operadores ternários são todos os operadores que podem receber três operandos. Como as expressões condicionais costumam ser os operadores ternários mais populares nas linguagens em que aparecem, acabamos por associar estes nomes e considerar que são a mesma coisa. Cuidado ao tirar este tipo de conclusão, mesmo que toda vogal esteja no alfabeto, o alfabeto não é composto apenas por vogais.

A estrutura de uma expressão condicional é algo bem simples, veja só:

paz = True if vencer_o_thanos else False
tipo_de_x = "Par" if x % 2 == 0 else "impar"

Resumidamente, teremos um valor seguido de uma condição e por fim seu valor caso a condição seja falsa. Pessoalmente acredito que apesar de um pouco diferente, essa forma de escrita para casos como o exemplificado acima é muito mais clara, mais explicita.

Se você fizer uma tradução literal das booleanas utilizadas no primeiro exemplo, lerá algo como paz é verdadeira caso vencer_o_thanos, caso contrário é Falsa. já o segundo exemplo fica mais claro ainda, pois lemos algo como tipo_de_x é par caso o resto da divisão de x por 2 seja 0, se não, tipo_de_x é impar..

Interpretar código dessa forma pode ser estranho para um programador. Interpretar uma abertura de chave ou uma indentação já é algo mas natural. Todavia, para aqueles que estão começando, o raciocínio ocorre de forma muito mais parecida com a descrita acima. Espero que tenham gostado do texto e que esse conhecimento lhes seja útil.

Topo
comments powered by Disqus